.Portadores de Recados

.pesquisar

 

.Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Recados Recentes

. A desordem económica

. Dois países, um sistema

. Um novo ciclo...

. Não gosto nada disto

. Uma pergunta...

. Doentes ?

. Uma Nova Esperança

. Reforma do Estado ?

. Limitação de mandatos?

. ESTAMOS DE VOLTA

.Recados Antigos

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Março 2013

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Terça-feira, 2 de Julho de 2013

Uma Nova Esperança

Na situação política a que chegámos, e ao contrário do que já dizem muitos, ainda há uma esperança. E ela reside no PPD/PSD.

 

Alguns Ministros do PSD e até independentes, bastantes deputados do PSD e muitos dirigentes do PSD vinham, à semelhança do CDS, a defender um novo rumo na política fiscal e financeira do Governo.

 

A saída de Gaspar poderia concretizar essa mudança. Mas Passos não a quis aproveitar.

Erradamente teimou em manter o rumo e a maior parte da equipa das Finanças.

Fez mal, ainda para mais sabendo que Portas não concordava. E começou a pagar o preço dessa escolha.

 

O PSD tem agora de reflectir sobre o que quer fazer e o que quer para o País.

O PSD pode escolher um novo líder e uma nova equipa que proceda a essa mudança tão reclamada por muitos, até dentro do próprio partido.

Uma nova equipa que consiga formar governo com o CDS no actual quadro parlamentar, e que consiga até trazer uma Nova Esperança a Portugal.

 

Isto é possível. Diria mesmo que desejável.

 

Ir para eleições agora é tudo o que o País dispensa. Até porque a alternativa é aquela que se sabe.

Este recado é de Rodrigo Mello Gonçalves às 18:14

Link do recado | Comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 2 de Julho de 2013 às 18:24
Ou em alternativa o CDS arranjar um lider que compreenda os sacrificios que o pais precisa que se faça
De Rodrigo Mello Gonçalves a 2 de Julho de 2013 às 19:19
Sinceramente acho que a questão não é essa. O País não aguentava continuar naquele rumo. Austeridade sim, mas com realismo e moderação. Não devemos matar o doente com a cura.
E acho que muitos no PSD e no CDS defendem isto, daí o cenário que coloco.

Comentar recado